#vidadocampo

Colunistas

Artigos sobre o Agro Negócio

A riqueza genética da raça chilena e sua influência nos países da FICCC.
(Federação Internacional de Criadores de Cavalos Crioulos, integrada pela Argentina, Brasil, Uruguai, Paraguai e desde 2009 entram como países aderentes, França, Itália, Alemanha e Suíça). Eu começo essa reflexão com esta publicação histórica para o FICCC. Este artigo foi escrito na Revista de 1976 de Federação do Rodeio Chileno e Associação de Criadores de Caballos Chilenos. Diretória Rodeo do tempo. Presidente: Jorge Lasserre L. Vice. Gonzalo Pérez Llona Tesoureiro: Gonzalo Vial Secretário Vial: Administração Raul R. Pavez: Luis Mayol B., M. Cardemil Ramon Alberto B. Schwalm, Fernando Errazuriz M., M. José M. Pozo, Andrew Levy Widmer. Directorio dos Criadores na época. Presidente: Alberto Araya G. Tesoureiro: Arturo Correa S. Secretário: Bernardo Correa Joanne Diretores. Lasserre Jorge L. M. Alberto Montt, Patrick S. Soffia, Luis Mayol B, Edward F. Porte, José M. B. Aguirre, G. Samuel Parot, Leonardo García Sabugal. Em relação aos cavalos chilenos apresentados em Expointer-Esteio em 1976:Artigo: "Impacto dos nossos cavalos" Suas barracas estavam sempre cheias de técnicos e criadores. Suas evoluções na pista causaram admiração. O cavaleiro huaso que os moveu (Carlos Noguera E.) fez isso com habilidade notável. Até Chacao com seus três anos ganhou ovações. O impacto será refletido no leilão oficial. Nossos criadores sentiram emoção tremenda quando ouviram o galope de seus cavalos. É humano se alegrar de que galope, mas o que ficou mais orgulhoso foi sentir a estima em que você tem o cavalo chileno. Chacao ... do Chile está vendido em US $ 10.000.- dólares para Jaguarão Homero ... do Chile ,! ... um filho de Arrebol e Nutria 2 em $ 11,000.- dólares para o Uruguaiana! Buitre ... do Chile, um filho de Aniversario e Capilla, em US $ 12.500! - dólares para Bagé E o leiloeiro acrescenta: O Buitre do Chile consegue com isso, o primeiro preço da exposição. Há algo importante a ressaltar. De acordo com a base da exposição, um expositor estrangeiro não pode registrar mais três produtos. Esta é a explicação que faz o esforço daqueles que dirigiram a aventura para abrir essa pegada que amplia o futuro do cavalo chileno mais transcendental. Nossa sincera homenagem de admiração e gratidão aos criadores que possibilitaram a realização deste grande anseio Obrigado, Homer, Buitre e Chacao. É assim que começa essa história sobre os cavalos da Raça chilenos que entraram na história do Rio Grande do Sul no Brasil. É realmente extraordinário para uma corrida que indivíduos de diferentes famílias próprios, eles são capazes de se tornar Chefe de Raça e jogadores influentes em vários criadores países Crioulo cavalos e no passado (1963-2012) cavalos incorporados de raça record chilenos por ter ancestrais comuns de origem espanhola 300 anos atrás, mas que o tempo em diante, Chile seguiu seu próprio caminho de seleção racial, funcional e morfológica com o Stud Book criado em 1893, exclusivamente para cavalos de corrida chileno e permanece fechado até hoje e sempre, ao contrário das genealogias de Argentina, Uruguai, Paraguai e Brasil que estavam sempre aberto entre eles e inclusive chilenos. Mas excepcional é que os jogadores chilenos desde que chegou a essas terras, o primeiro para os anos de 1960 a Argentina, têm uma influência fundamental sobre as atuais cavalos Crioulo em testar Paleteadas, Além gado, Rienda FZ Ballester, Movimento La Rienda, freio de ouro, Rienda Internacional, Morfologia. Apenas em marchas eles não têm nenhuma influência. São de grande importância Acúleo Condorito e Invernada A paleta no início, Invernada aniversário para os anos de 1970, Curitoro Facon e Maquena Chuchoca até 2000, todos na Argentina. No Uruguai, na década de 1970, chegou Clementina Vencedor, Las Vertientes Astuto, e depois Quillacon IV, La Amanecida Cautil, com grande influência funcional.O Brasil chegou ao primeiro Aniversário e, em seguida, na década de 1980, o La Invernada Homero, Tren Tren Arrebol, Trongol Pilpilco, La Hortensias Rigolemu, Aromo Campero, Santa Teresa Papayero, Trapiche Maqui e 1990 Santa Elba Suñuelo e Santa Elba Comediante , em 2000 Maquena Guindo, todos membros do registro do mérito. Dos espécimes mencionados, quase nenhum teve grande desempenho esportivo no Chile, porque eles eram novos começando sua carreira esportiva, alguns potros até, apenas Aromo de Pichidegua Campero já era um potro consagrado, o duas vezes campeão Papayero e Maquena Guindo, finalista nacional em rodeio. Nunca foi exportado um jogador antes de 2012, que esteve em primeira linha no Chile em cada época, como: No Me Toques, Rigor, Ñipan, Taco, Chorus, Bellaco, Esquinazo, Esperando, Rotoso, Lamentada, Reservado, Canteado, Que Mas Da, Remehue, Capuchino, Requinto, Morcacho, Navegao, Plebiscito, Banner, Campo Bueno II, Escorpião, Escândalo, Aromo, Talento, Espelho, Torero, todos esses jogadores que lideraram as estatísticas de crianças vencedoras funcionais em nosso país, Seja em Rodeo e em resseguro chileno e internacional. Em um recente estudo genealógico-funcional realizado por um criador e piloto alemão de testes de Rebanho e Cowboy, sobre o desempenho de crioulos importados para a Alemanha do Uruguai e de testes atuais realizados no Brasil, concluiu que os Campeões têm 70 % De sangue chileno. O tema central deste artigo é destacar primeiro, que os cavalos foram exportados cavalos chilenos de diferentes famílias que não tinham uma campanha excepcional aqui, por causa do mencionado acima, e também agiram com seus filhos em testes que nunca praticaram, mas sua arrogância a genética funcional supera todas essas armadilhas. Essa única menção é extraordinária, que os cavalos que praticam um único esporte tão massivamente quanto o "rodeio chileno", seus filhos se destacam em diferentes, algo sem precedentes. No Chile nunca foi Paleteadas, Marchas, Freio de Ouro. Outro marco é que os jogadores de primeiro nível nunca foram vendidos, foram deixados no Chile, o que também é contrário ao habitual, em qualquer outro cavalo, os melhores reprodutores vivos são tirados em cada estação ou são alugados para reproduzi-los sazonalmente. No ano em curso de 2018, o Registro de Mérito do Brasil é o potro La Invernada Homero e, em segundo lugar, colocou Santa Elba Señuelo, ambas as diferentes Famílias do Cavalo do Chile, uma prova do que está perdido, sem incluir mais exemplos chilenos. (Ver livro Criadores de raça pura chilena, Volume I e II). Ambas as situações exaltar ainda mais os cavalos de corrida do Chile e não garante bem compreendido fora do fechada nosso registro é uma fonte inesgotável de cópias que podem ser usados alternativamente. Então, foram muitos excelentes cavalos desta lista que não foram exportados ou seus filhos e filhas, fechou importações em dezembro de 2012 dos países FICCC de Chile, que não é objeto deste artigo, eu só me expressar sobre "cavalos" . Tenho certeza de que estes espécimes e seus descendentes seriam de grande competição para linhas existentes de crioulos, além de enriquecer ainda mais sua genética e morfologia. Eu acredito que o desenvolvimento e "evolução do cavalo parado" no sentido de genética e funcional, a privar-se de enriquecer suas educações com sangues chilenos atuais Plebiscito, Remehue, Morcacho, Pífano, Estruendo, Malulo, Alharaco, TalentO, Mirror, Aromo e outros. O valor do indivíduo devido à sua arrogância hereditária.Ouvi muitas vezes a frase "tomamos todo o sangue chileno, o temos completo", aqui mostro que não foi assim.Um muito diferentes mães coisa ou irmãos estão ligados cavalos de sangue muito próximos até mesmo próprios irmãos, nunca foi o mesmo que os grandes garanhão bem sucedido ou exemplar, genética e seus segredos não.Este princípio é seguido por todas as raças, portanto, o valor do Cabeça de Corrida e a dos jogadores que a seguem na escala de sucessos. Mas, no final do dia, neste século XXI, chegaremos à conclusão de que os descendentes dos chefes da raça chilena, Casas de Polpa, Estribillo e Las Mercedes Taco dominam no Chile e no exterior, que, se tivessem participado do concurso de freios de ouro, sua pontuação em morfologia tinha sido muito baixa, mas sua funcionalidade era imparável. Talvez algum dia a restauração do sangue chileno seja restaurada, o que trouxe tantos benefícios ao atual crioulo.Em que incomoda que nosso Registro continue fechado? A quem fere?Olhar para esta situação a partir de uma perspectiva regional é uma pequena situação, as diferenças entre os irmãos, mas tomadas ao nível mundial, onde a competição é contra variedades mais difundidas, como árabe, um quarto de milha, a situação é diferente e parece tão antagônica quanto a nada Boa condução, apenas nos contrai.É impossível separar o cavalo crioulo do chileno.Esta situação tem soluções que não significam "construir pontes" ou "túneis abertos", pensei nisso muito e por anos, acho que posso propor soluções. Como digo acima, meu assunto é cavalos, nada mais, o político não é o meu.

A riqueza gentica da raa chilena e sua influncia nos pases da FICCC.

Histórias de Vida

A Vida no campo como ela é.

Guri que nasce com sangue no olho pelos cavalos
Guri que nasce com sangue no olho pelos cavalos, pela lida campeira... Tem poucos... mas tem. E nós, fomos atrás. Hoje, esse "guri", já tem 30 anos, é casado, e tem dois filhos. O que ninguém sabia, e que esse menino, filho primogênito, iria um dia se consagrar Freio de Ouro. Estamos falando de Fábio Teixeira, "Fabinho", como o conhece o mundo do cavalo crioulo. Hoje Fabinho, é reconhecido por todos, e mais se estiver montando algum pingo nesta caminhada que chamamos vida, que ele bem traçando e conquistando muito bem. "Fabinho", não começou ganhando, nem brilhando nos palcos do Freio de Ouro. "Fabinho" começou sua lida, com meses de vida, no colo da sua mãe, recorrendo os campos e revisando gado. Os meses foram passando, e o menino não queria mais saber de mãe, ele queria mesmo era se mexer sozinho pra cima e pra baixo como todos faziam. Foi assim, que começou a escrever sua história em uma petiço. Petiço que foi o primeiro companheiro de lidas campeiras junto com seu pai, e seu avó, sem importar horas que levasse, com 3 anos, ele estava firme lá acompanhando. E não é que no meio da lida batia aquela fome? Arlete, a mãe, já conhecendo o pequeno, estava de mamadeira pronta pra levar pra ele, quem fazia questão de bebê-la encima do cavalo, nada de baixar o petiço. Também, como não podia ser diferente, nas horas de lazer, o pequeno já tinha sua fazendinha de cavalos, pra continuar a lida. O interesse só aumentava, só crescia, o Fabinho queria mais, ele não queria ficar só com aquele petiço. Foi então, que os pais, compraram duas éguas crioulas. Uma, claro, ficou com ele. A outra, já podia emprestar pra irmã, que também gosta de cavalos. Mas não desviando, o assunto era o Fabinho não ficar sem égua, porém, se transformou em sua professora. Pra começar a se envolver um pouco mais, ele decide ajudar o pai na parte campeira dos leilões que fazia, sempre buscando aprender. Mais ele foi em busca de mais, ele queria treinar, queria participar de provas. Sua vontade foi feita realidade, começou a participar de provas de aspirante, de freio jovem, e para sua surpresa, a maioria, com vitórias. O tempo foi passando, os conhecimentos se aprimorando, e o profissionalismo batendo a porta. E com 16 anos, que decide estrear então, nas pistas profissionais. O que não sabia era que começava um novo caminho, que começava a escrever um livro de vitórias, sempre acompanhado de mito respeito, de muita garra, de muito foco, e sobre todas as coisas, muito amor, pelo que um dia era só um sonho. Mais isso você descobre, no segundo capítulo, desta fabulosa história! Cosas del Campo, sempre perto de você!

Guri que nasce com sangue no olho pelos cavalos

Atravessando Fronteiras

Colunas Internacionais

A velocidade em cavalos
Acredito que, nos anos em que vivi, vi e cavalguei grandes cavalos. Isto último, mais que uma virtude pessoal, atribuo a algum fator fortuito. Mas deixou-me a impressão de saber instantaneamente quando estou na presença de um cavalo diferente. Vi muitos cavalos que me deslumbraram, nas paleteadas a yunta da Muñuela e da Telaraña, Que Lola e Si Sera. Eu pude testemunhar os títulos do Aguaitando. Vi mover o Facón que me lembro de ter descido com um amigo para contar os doze metros que eu havia colocado minhas pernas em uma final em Palermo, fato que me deixou surpreso. Mas há um cavalo que desde que o vi pela primeira vez acordei e ainda hoje não só mantém a minha admiração, mas também é com o amor que me gerou. Ele é Tinajera Miralejos. Lembro me de que foi em um leilão quando alguém me disse que ele tinha tido um desempenho enorme e ele tinha feito 60,5 de 70 possíveis em uma classificatória. Mas não foi até a semifinal em Mendoza que eu não a vi viver e viver. O que um dia, Pedrín Muñoz, a maioria na Argentina conhece este grande amigo, não parece afetar a situação e deixou a sensação de que tudo o que ele queria fazer com Miralejos naquele dia poderia ser alcançado. Mas o destino é mesquinho. Porque em um desempenho um pouco mais normal perde a final quando se move no desmonte e monte. Mas tudo nesta vida tem seu retorno. E não foi necessário esperar tanto tempo, quando a nomeação foi em Montevidéu para a FICCC de 2012. Com grande concordância dos países da FICCC mais o Huasuncho, e o Pistilla, eles deixaram um cenário digno de uma batalha épica. E esse foi o seu dia, coroado campeão da FICCC. Hoje ele está treinando para correr o freio, que seria sua terceira prova. Ele foi finalista em um corral separado, campeão de rédeas da FICCC e veremos como ele escreve este capítulo. Como reprodutor já tem um filho de freio de prata. Seus filhos não só têm a agilidade e boa boca dele, mas eles também possuem uma mansidão surpreendente. Eu nunca andei a cavalo com suas condições, e isso não prejudica a memória das outras celebrações que eu pude escalar. Mas a velocidade e a agilidade do mesmo, a velocidade nos movimentos laterais e a suavidade para colocar as pernas, o que os coloca como poucos, foram as coisas que mais me deslumbraram. Amém da sua nobreza do Grande Cavalo. Mas as coisas não são o resultado da casualidade. Seu pai vem de uma família de cavalos classificados no rodeio chileno. Já seja o Sembrador, para não mencionar o múltiplo campeão de rienda Cachupin ou Cantinita. Mas as mães nesta vida são tudo, Forastera é filha de San Pedro Huaso, cavalo de ótimas condições, Afinao pai, três vezes FZB, e que toda mãe que está presente torna diferente. Sua avó materna foi uma das grandes éguas de Don Victor Esevich, Secretaria da SEPULTURA. Filha do único campeão de rodeio chileno que chegou à Argentina, Quizapu Forastero. Nada acontece só. Acho que até o Miralejos, as coisas tinham uma velocidade, então percebemos que havia uma marcha em alguns "diferentes"...

A velocidade em cavalos

Bem estar Animal

A vida do campo

Alto Camaquã é apresentado em evento internacional
A experiência de desenvolvimento territorial do Alto Camaquã foi exibida em vídeo durante o Seminário Internacional Inovação Social em Políticas Públicas, realizado em Brasília (DF), entre os dias 07 e 08 de março de 2018. O território, situado na Serra do Sudeste, ao Sul do Rio Grande do Sul, foi apresentado a partir da relação entre suas características ambientais, produtivas e histórico-culturais e a organização sócio-produtiva orientada ao desenvolvimento Conforme o pesquisador da Embrapa Pecuária Sul, Marcos Flávio Silva Borba, a região foi escolhida para participar do evento justamente por ser uma referência de inovação social. "Essa participação é importante para dar visibilidade internacional a uma experiência de desenvolvimento territorial construída a partir da valorização dos recursos tangíveis (recursos naturais, pecuária sobre campo nativo, produtos tradicionais) e intangíveis (cultura, representações simbólicas, história etc.), próprias de uma região que permaneceu à margem dos modelos de desenvolvimento aplicados historicamente ao mundo rural brasileiro", ressaltou o pesquisador. A participação no evento também destaca os produtos diferenciados produzidos localmente, que hoje contam com uma marca coletiva. A organização social e produtiva em rede dos pecuaristas familiares –reconhecida oficialmente pelo governo do estado do RS como um Arranjo Produtivo Local de ovinos e turismo – também foi um dos destaques apresentados no Seminário. O Alto Camaquã situa-se na parte superior da bacia do rio Camaquã e engloba os municípios de Bagé, Caçapava do Sul, Canguçu, Encruzilhada do Sul, Lavras do Sul, Piratini, Pinheiro Machado e Santana da Boa Vista. Organizados a partir da Associação para o Desenvolvimento Sustentável do Alto Camaquã (Adac), os pecuaristas estão próximos de ter sua própria indústria e, com isso, ter o controle total (da produção à distribuição) da cadeia da carne ovina. "Tudo isso fruto de um trabalho proposto pela Embrapa em parceria com outras instituições", completa Borba. Seminário Internacional Inovação Social em Políticas Públicas O Seminário teve como objetivo promover o intercâmbio das experiências, estratégias e práticas de inovação social no âmbito das políticas públicas, no Brasil e no mundo. O evento foi uma realização da Secretaria de Governo da Presidência da República (SEGOV/PR) por meio da Secretaria Nacional de Articulação Social (SNAS), com o apoio da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), e em parceria com o Banco Interamericano Desenvolvimento (BID), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Synergos, Instituto Serzedello Corrêa do Tribunal de Contas da União (ISC/TCU), Fundação Banco do Brasil (FBB), Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae Nacional). Fonte: Embrapa Sul | Felipe Rosa

Alto Camaqu  apresentado em evento internacional