Histórias de Vida

Sede de aprender

Data: domingo, 25 de março de 2018 - Hora: 10:26

Há muitos anos atrás, todos os dias, na cidade de Canoas a fruta era repartida a cavalo. Coisa normal para a maioria, menos para o Felipe Muller.

Para ele, era o melhor momento do dia, pois ele via cavalos. Porém, não só olhava, se não que também pedia para os pais comprarem fruta para ele poder subir na carroça e acariciar o cavalo.

És aí então, que começa a despertar um sentimento especial por cavalos.
Sentimento que foi reafirmado quando o menino ganhou um petiço, que fazia seus finais de semana mais divertidos quando ia vista-lo.
Junto a esse encantamento pelos cavalos, o Felipe carregava um grande amor: o sitio do seu avó. Ele sonhava com ir morar nesse lugar.
Onde mais tarde, ele terminou junto aos seus pais, ir morando lá. Pois o pai herdou o sitio.

Lá, tinha uma égua, chamada Ginger. O nome foi inspirado no seu filme favorito: "Beleza Negra". Mas ela não uma raça definida.

Mais tarde, entre tanto encantamento e gosto pelos cavalos, a família decidiu viajar até a tradicional exposição de Esteio em busca de que o jovem conhecesse cavalos de todos os tipos. Ali surgiu um novo amor: o cavalo crioulo. Porque vamos combinar né gente, quem vai até a Esteio, não tem como não se apaixonar pelo nosso cavalo crioulo! E com o Felipe não foi diferente.

Aos doze anos, adquiriu sua primeira égua crioula. Égua que o fez ter sede de aprendizado, égua que o fez querer sonhar mais alto.
E foi adquirindo a revista "Crioulos", que mergulhou no mundo dos ginetes, encontrando ali o Centro de Treinamento que ensinaria as primeiras coisas, onde passaria suas primeiras férias. O centro de treinamento de Valdir Guimarães. Foi ali, inspirado no que o ginete fazia, que ele descobriu o que queria fazer para sua vida.

A revista Crioulos, continuou inspirando o novo sonhador. Pois na edição que sai todos os anos depois do Freio de Ouro, o jovem viu que quem tinha ganhado era o ginete de ouro, Zeca Macedo, o que automaticamente transformou-se em seu novo ídolo.
Ídolo que o jovem morria por conhecer, ter contato, e se fosse possível aprender junto a ele.

Isso aconteceu, foi através de uma palestra, que o jovem o conheceu, e seus pais, fizeram questão que ele se apresentasse para seu ídolo.
Zeca, muito receptivo, os convidou para que conhecessem seu lugar de trabalho, e por que não, que o Felipe tomasse umas aulas por lá.

Como nesta vida tudo tem um motivo, foi em um leilão da Cabanha Santa Angélica, que no final do leilão, o pai do Felipe, decidiu comprar um cavalo, um pingo buenísimo. Porém, recém domado. O que significava que teriam um grande caminho de aprendizado a percorrer entre os dois.

O convite de Zeca, estava pendente, e ele não poderia ser recusado. Então, lá foram eles. Foram atrás da conquista de um sonho: aprender.

"Segredo", Felipe e Zeca, se deram bem. Tanto foi assim, que Zeca o motivou muito a treinar, e se dedicar. Dizendo para ele, vendo tua grande vontade de aprender, é mais minha vontade de te ensinar.

Chegou uma exposição em Rio Grande, onde o Zeca iria a participar de uma credenciadora, e o motivou ao jovem a ir a participar da credenciadora ao Freio Jovem.
Felipe e Segredo foram, mesmo sabendo, que deviam melhorar muito ainda, e que não estavam prontos. Mas mesmo assim foram.

Para a surpresa deles, credenciaram em primeiro lugar. Mesmo sabendo que daqui para frente, eles, como conjunto deveriam de melhorar muito.

Mas nesse, "deveriam melhorar muito", com o passar do tempo, foi melhorando.
Finais chegaram, e junto com o passar do tempo, algumas vitórias também.

O que contamos pra vocês, e o começo de uma história de um guri, que hoje está correndo atrás de seus sonhos. Que hoje está materializando o que um dia tanto sonhou.
Conquistando e descobrindo novas paixões, e novas provas. O redomão, uma delas.

Sempre do lado do seu melhor amigo: o cavalo crioulo. Nunca esquecendo de todas as pessoas que estão a sua volta, que o ajudaram, e que o ajudam a ir por mais.

Começando a pegar o gostinho de que o esforço, vale a pena, e que as vitórias demoram mas chegam.

E esta, em resumidas partes, e a história do Felipe Muller, um ginete, que com certeza ainda veremos ele brilhar nas pistas. Sempre da mão do veio de lá de cima, e acreditando nos sonhos que a gente tem.

Por: Maria Eduarda Sanes



Nossos Colunistas

Arturo Montory Gajardo

Nací en Cañete provincia de Arauco-Chile en septiembre de 1946, de familia de agricultores y ganaderos. En 1964 mi tío Hernán Anguita Gajardo, estudioso, criador (criadero Paicavi), y dirigente del rodeo escribe artículos en el Anuario de la Asociación de Criadores de Caballares, y me hace participar de ellos, lo que efectuó hasta el año 1970 en que entrega su último artículo. (Hernán Anguita creo el premio Sello de Raza). Ello me hizo aprender muchísimo de caballos, rodeo, arregladores y jinetes antiguos y ya en el año 1966 en una Agenda o libreta pequeña pude escribir y desarrollar en forma ordenada y clasificada por Familias Caballares toda la raza con los ejemplares más importantes, en rodeo, rienda, reproducción, exposiciones, que habían destacado y con premios hasta esa época. No había aun computación, la que llegó en forma masiva a Chile a principios del 1990. Esa agenda la conservo y es la base de todo lo que he escrito después y han pasado 50 años. Luego fui jinete de rodeo, jurado de premio Sello de Raza y Rodeos por muchos años más. En 1990 ya establecido en Santiago, me invitan a participar como columnista en revista Criollos, en octubre de 1991 participo en nacimiento de revista Corraleros escribiendo y dirigiéndola hasta 2005 y luego fundo la revista Tierra de Caballos, la que llevo a Expointer durante algunos años y junto a ello, incentivar a muchos criadores chilenos a conocer y asistir al Freno de Oro, y se produjo un intercambio muy grande y de muy gratos recuerdos para todos. En 2009 fui panelista representando a Chile de “Encuentro de Criadores”, evento que organizaban los criadores gaúchos Joao B. Sa y de Uruguay Luis Pedro Valdés en restorán de la 6° Regiao en Esteio. Me toco en esa ocasión compartir palestra con el famoso Bayard Sarmento Jaques de Jaguarao-Uruguiana, el criador argentino Ramon Maidagan Torres, y el criador uruguayo Diego Landa Dondo, una experiencia inolvidable. En 1997 publique el libro "Caballos Chilenos, Genealogía de una Raza"; en 2000 inicio la colección "Caballos Chilenos, 500 años de Historia", que fueron 9 tomos; en 2012 publico en Internet, están aún vigentes, 5 tomos de libro "Grandes Caballos del Sur de América", que incluye crianzas de Argentina, Brasil, Chile, Uruguay y Paraguay. Me publicaron artículos en Anuario de Brasil y Uruguay. En 2015 publico Tomo I y en 2016 el Tomo II de libro "Reproductores de Pura Raza Chilena", vigente actual. Tengo al aire la web Tierradecaballos.cl; en Facebook web Libro Reproductores de Pura Raza Chilena. He hecho videos en YouTube a nombre de Caballería Araucana TV; criadero Paicavi TV; y Reproductores de Pura Raza Chilena, que van a TV Cable He sido por 13 años columnista de web de Federación del Rodeo y Criadores, Actelemte participo en programa Pelos & Procedencia de radio Tertulia por invitación de mi estimado amigo Rodrigo Alegrete. En diciembre del 2016 fue lanzado el Tomo I de "Historia del Rodeo Chileno", que escribí, y a principio del 2018 se lanza Tomo II y la Historia de la Federación del Rodeo, soy autor de ambos. Tengo un pequeño criadero de caballos chilenos continuando con algunas yeguas antiguas y el nombre de "Paicavi" cuyos ejemplares forman la base del actual del exitoso criadero Peleco, formado por Emilio Lafontaine P. también primo mío, y que ahora pertenece a Rubén Valdebenito Fuica y sus hijos Gustavo y "Panchaco". .