Histórias de Vida

De pai pra filho !!! (parte II)

Quando duas pessoas estão destinadas a estar juntas, pode ter certeza, que alguma coisa acontecera, ou alguma pessoa intercedera para que isso aconteça.
E assim foi, que uma certa pessoa, convida Claudio Ruas para fazer uma visita "cualquer" de fim de semana, e é daí que surge um casal, que deles, nasceria um jinete diferente, um jinete pra fazer história.
Eles são Claudio Ruas e Cristiane Rodrigues, se conhecem faz 22 anos, e faz 18 que são acompanhados pelo Gustavo Ruas, filho do casal, junto com o casula Guilherme.
Claudio, um homem sempre de campo, não poderia sair diferente "a cria". Nem bem nasceu o Gustavo, ele já pegou o gostinho, gostinho pelo campo, mas sobre tudo, gosto pelos cavalos; recebendo assim sempre presentes que tinham que ver com o assunto.
Assunto que na vida de Gustavo, tem muito pra falar, se emocionar...
Antes de ter cavalos, mas ao mesmo tempo já tendo, o Gustavo, muito engenhoso, montou uma cabanha de cavalos de Pau. É! Assim como vocês estão lendo.
E todos os dias na hora do chimarrão tinha prova, era hora de apresentar os cavalos aos jurados que eram os pais. Cristiane sempre dava 10, agora o Claudio, dava 9 em algum que outro, e o Gustavo no outro dia voltava lá com seu cavalo 9, pra ver se tinha melhorado! O foco tem que começar desde cedo! Mas, era hora de deixar os cavalinhos de pau, e ter um de verdade. Seu primeiro cavalo, Cartucho Tupambaê, presente do Oswaldo Pons.
Cartucho, o cavalo rosilho, foi quem ensinou a andar a cavalo ao Gustavo com apenas 3 anos, ensinou de uma maneira diferente, já que pro casula não cair, o pai botava uma cordinha no cinto. Lembranças boas, que merecem ser lembradas.
Mas a história do Cartucho não termina por aí... o cavalo, era o bichinho de estimação de Gustavo, pra onde eles iam, o cavalo ia junto. O assunto era não separar a dupla!
O tempo passou, o gosto pelo cavalo só crescia, e o incentivo dos pais nunca faltou.
E então, Gustavo, com 7 anos, estreia nas pistas, competindo o laço em um CTG de uma vaca parada, obtendo o segundo lugar. Nada mal pra começar né? O troféu, ele guarda até agora, como lembrança pra nunca ser esquecida.
8,9,10 anos... os anos foram passando, a paixão aumentando, e a vontade por aprender, por se superar, era o que mais o menino tinha, pois o exemplo estava em casa, para o Gustavo, até hoje, seu maior exemplo, e o pai, quem além de ensinar, corregir, está sempre aí, pra dar aquele abraço apertado quando as coisas não vão bem, e dar aquele grito, quando a vitória tá batendo a porta.
Vitoria batendo a porta é o resultado, do compromiso que o Gustavo tem pelo que faz.
Então, os resultados começam a vir.
São vários os Redomões que tem ganhado, provas de diversos tipos, entre elas, ganhador de freio jovem.
Mais ele confessa, que prova especial, foi quando ganhou a prova Don Arturo, não quitando brilho as outras, pois ele nos diz, que todas são especiais, que de todas tira um aprendizado, já seja ganhando ou perdendo.
E é ganhando ou perdendo, que a equipe do CT Ruas, sempre está aí, para apoiá-lo, equipe de mãe, irmão, pai, e amigos.
Gustavo hoje de 19 anos, um menino segundo a mãe, "que tem que estar correndo atrás das palavras, pra saber como e que está tudo", mais que é o orgulho da família, com seu jeito humilde, carinhoso, e tranquilo.
Ganhando, perdendo ou com susto de por meio, o rapaz nunca perde o compromiso, foi assim, que a mãe nos conta, que numa mau jogada da sorte, o jinete cai desmaiado e tem que ser socorrido por uma ambulância, e dentro dela, surge a pergunta: "Mãe, eu perdi?"
Mas...
Pra ele, todos os cavalos são uma história, todos os cavalos são uma conquista. Alguns mais especiais que outros, alguns mais manhosos que outros, mais nada quita, a paixão pelo que ele faz, paixão que ele diz hoje, que é o que quer, pro resto da sua vida.
Sonhar?
Claro, Gustavo tem muitos sonhos junto a eles, junto a esses bichos de quatro patas, que fazem ele vibrar, fazem ele ficar nervoso, mais sobre todas as coisas, cada dia que passa, fazem ele acreditar, ter foco, e seguir sonhando.
Sonhos do Gustavo, que hoje se tornam os dos pais. Porque pra eles, se realizando os filhos, eles já estão pra lá de realizados.
Sonhos que pra o Gustavo hoje, estão batendo a porta, que estão dizendo: cara, você está perto... não desista!
E foi não desistindo, acreditando, que o ano de 2017 veio com tudo, pra surpreender todos, e sob tudo, surpreender o guriazinho que andava de corda no cavalo com 3 anos...
Mais isso, você descobre, no terceiro capítulo, que está imperdível!



Venha e participe Conosco!
Deixe seu comentário,
Até a próxima.

Já viu os animais que vendemos? Veja Aqui!


Nossos Colunistas

Arturo Montory Gajardo

Nací en Cañete provincia de Arauco-Chile en septiembre de 1946, de familia de agricultores y ganaderos. En 1964 mi tío Hernán Anguita Gajardo, estudioso, criador (criadero Paicavi), y dirigente del rodeo escribe artículos en el Anuario de la Asociación de Criadores de Caballares, y me hace participar de ellos, lo que efectuó hasta el año 1970 en que entrega su último artículo. (Hernán Anguita creo el premio Sello de Raza). Ello me hizo aprender muchísimo de caballos, rodeo, arregladores y jinetes antiguos y ya en el año 1966 en una Agenda o libreta pequeña pude escribir y desarrollar en forma ordenada y clasificada por Familias Caballares toda la raza con los ejemplares más importantes, en rodeo, rienda, reproducción, exposiciones, que habían destacado y con premios hasta esa época. No había aun computación, la que llegó en forma masiva a Chile a principios del 1990. Esa agenda la conservo y es la base de todo lo que he escrito después y han pasado 50 años. Luego fui jinete de rodeo, jurado de premio Sello de Raza y Rodeos por muchos años más. En 1990 ya establecido en Santiago, me invitan a participar como columnista en revista Criollos, en octubre de 1991 participo en nacimiento de revista Corraleros escribiendo y dirigiéndola hasta 2005 y luego fundo la revista Tierra de Caballos, la que llevo a Expointer durante algunos años y junto a ello, incentivar a muchos criadores chilenos a conocer y asistir al Freno de Oro, y se produjo un intercambio muy grande y de muy gratos recuerdos para todos. En 2009 fui panelista representando a Chile de “Encuentro de Criadores”, evento que organizaban los criadores gaúchos Joao B. Sa y de Uruguay Luis Pedro Valdés en restorán de la 6° Regiao en Esteio. Me toco en esa ocasión compartir palestra con el famoso Bayard Sarmento Jaques de Jaguarao-Uruguiana, el criador argentino Ramon Maidagan Torres, y el criador uruguayo Diego Landa Dondo, una experiencia inolvidable. En 1997 publique el libro "Caballos Chilenos, Genealogía de una Raza"; en 2000 inicio la colección "Caballos Chilenos, 500 años de Historia", que fueron 9 tomos; en 2012 publico en Internet, están aún vigentes, 5 tomos de libro "Grandes Caballos del Sur de América", que incluye crianzas de Argentina, Brasil, Chile, Uruguay y Paraguay. Me publicaron artículos en Anuario de Brasil y Uruguay. En 2015 publico Tomo I y en 2016 el Tomo II de libro "Reproductores de Pura Raza Chilena", vigente actual. Tengo al aire la web Tierradecaballos.cl; en Facebook web Libro Reproductores de Pura Raza Chilena. He hecho videos en YouTube a nombre de Caballería Araucana TV; criadero Paicavi TV; y Reproductores de Pura Raza Chilena, que van a TV Cable He sido por 13 años columnista de web de Federación del Rodeo y Criadores, Actelemte participo en programa Pelos & Procedencia de radio Tertulia por invitación de mi estimado amigo Rodrigo Alegrete. En diciembre del 2016 fue lanzado el Tomo I de "Historia del Rodeo Chileno", que escribí, y a principio del 2018 se lanza Tomo II y la Historia de la Federación del Rodeo, soy autor de ambos. Tengo un pequeño criadero de caballos chilenos continuando con algunas yeguas antiguas y el nombre de "Paicavi" cuyos ejemplares forman la base del actual del exitoso criadero Peleco, formado por Emilio Lafontaine P. también primo mío, y que ahora pertenece a Rubén Valdebenito Fuica y sus hijos Gustavo y "Panchaco". .