Notícias

Manter a equipe motivada.

Manter a equipe motivada atrás de um objetivo requer ouvir seus desejos e interesses em primeiro lugar.

O que faz com que muitas empresas captar o interesse e vontade de todos os seus membros? Por que alguns deles são bom ambiente, o desejo de colaborar, iniciativas e propostas e não em outros?

Não acho que há um fator que define, mas atrevo-me a testar um tempo hipótese depois de estar em contato com a dimensão humana do mesmo, se o ambiente rural como nenhuma.

Em meu julgamento seria marcar uma diferença essencial entre aqueles que têm o que chamamos de um projeto e aqueles que não o fazem.

Agora como explicar esta idéia do projeto?

Em outras palavras, o projeto seria como esse sonho, essa ambição saudável para crescer e ir para procurar um futuro melhor que é cada empreendedor. Um projeto no entanto, que para além dos seus próprios interesses, envolvidos desde o início para todo mundo jogar o jogo com ele. Isso é um futuro compartilhado com todos e todos, de baixo para cima. Só então se tornará inspirador e organizador.

A empresa tem um futuro não só quando o mercado é favorável a ele, a demanda por seus produtos ou serviços é necessária, ou renda fórmulas de custo / bom. Tem futuro especialmente quando vemos um horizonte além do qual seguir, o que nos atrai e nos obriga a pensar grande. É o que faz as pessoas não vivem "medir o esforço", fazendo uma prestação de contas do seu trabalho e contribuições.

Quando não há liderança do projeto e influência concreta sobre as pessoas na equipe. As características definidoras deste liderança positiva é a capacidade de olhar e ver mais longe. Isto é o que se espalha, esta atitude que leva as pessoas a ir atrás dos objetivos sem estar constantemente olhando para trás.

projetos ao vivo

Esta é imediatamente aparente ao visitar e executa um negócio, é algo para um bom observador entra pelos poros, ele mostra na maneira como as pessoas se comunicam, para assumir as tarefas ou atribuições, para receber comentários e sugestões de resolver questões contenciosas. A atmosfera fala por si.

sonhos compartilhados transformar obediência no compromisso, ações de boa vontade, os desejos em realidades.

Agora, que condições devem atender a um projeto para ser atraente para as pessoas? Que coisas demonstrar a coerência da proposta?

A oportunidade para progressão na carreira ou oportunidade de demonstrar minha capacidade de fazer aqueles onde me sinto capaz.

crescimento profissional e pessoal andam de mãos dadas. Há coisas que todos anseiam e um deles é deixar-nos a desenvolver-nos em algo que nós mesmos estamos em forma e capaz. Ser preso em algo que sabemos e desfrutar de um mínimo de autonomia para tomar e propor é fantástico.

No entanto, nem todos os ambientes permitem, em muitos postos de trabalho prestes a seguir o manual ou receber ordens sem a linha marcada executar nós !! Esta não é propor coisas estranhas, mas para ser capaz de participar de outra maneira no trabalho, alguns donos de sentir esse espaço. Crescer na nossa torna-se assim uma de duas vias perspectivas, profissionais e pessoais.

atmosfera flexível e amigável, um respirável lugar

O ambiente nós trabalhamos muito tempo (às vezes todos) que as pessoas podem se sentir confortável e à vontade, sem implicar menos compromisso. "Respirar" no trabalho é apenas isso, não deixa de ser quem somos, para ser capaz de dar o melhor de nós em pé de igualdade com as demandas. Se o ambiente é hostil e dura, inflexível, inevitavelmente, acabamos vigiando e defensiva. Colocar as pessoas nesta posição é fatais, resulta em queda de meio ambiente e todo mundo está pensando a esconder e desaparecer. A tensão de uma atmosfera de dar e receber se dissolve iniciativa. Tirar as pessoas dessa posição defensiva é o segredo para melhorar o ambiente.

Demandas em par com formação e autonomia para decidir sobre a área de responsabilidade

Acesso à educação e formação é uma outra porta para abrir, porque tudo que você precisa personalizado ou homólogo tarefa de conhecimento de suporte e capacidade de fazer as coisas direito. As exigências são malvistos se forem escorada dessa maneira, e não por uma ocorrência pessoal, mas como o resultado de uma missão de tudo o que vai além de uma pessoa.

Para dar e justo. Sem assumir que "você sabe, deve imaginar como ele é feito, é uma coisa boba" ou expressões de estilo.

remuneração ajustada ao tipo de motivação pessoal

A recompensa financeira é fundamental, mas não todos. A motivação das pessoas é uma soma de coisas que lhe interessam e que estão dispostos a mobilizar. Se o trabalho ea atmosfera é atraente que significa que as pessoas trabalham também lá por outros motivos.

Por: Fernando Preumayr | Clarín Rural.



Venha e participe Conosco!
Deixe seu comentário,
Até a próxima.

Já viu os animais que vendemos? Veja Aqui!


Nossos Colunistas

Arturo Montory Gajardo

Nací en Cañete provincia de Arauco-Chile en septiembre de 1946, de familia de agricultores y ganaderos. En 1964 mi tío Hernán Anguita Gajardo, estudioso, criador (criadero Paicavi), y dirigente del rodeo escribe artículos en el Anuario de la Asociación de Criadores de Caballares, y me hace participar de ellos, lo que efectuó hasta el año 1970 en que entrega su último artículo. (Hernán Anguita creo el premio Sello de Raza). Ello me hizo aprender muchísimo de caballos, rodeo, arregladores y jinetes antiguos y ya en el año 1966 en una Agenda o libreta pequeña pude escribir y desarrollar en forma ordenada y clasificada por Familias Caballares toda la raza con los ejemplares más importantes, en rodeo, rienda, reproducción, exposiciones, que habían destacado y con premios hasta esa época. No había aun computación, la que llegó en forma masiva a Chile a principios del 1990. Esa agenda la conservo y es la base de todo lo que he escrito después y han pasado 50 años. Luego fui jinete de rodeo, jurado de premio Sello de Raza y Rodeos por muchos años más. En 1990 ya establecido en Santiago, me invitan a participar como columnista en revista Criollos, en octubre de 1991 participo en nacimiento de revista Corraleros escribiendo y dirigiéndola hasta 2005 y luego fundo la revista Tierra de Caballos, la que llevo a Expointer durante algunos años y junto a ello, incentivar a muchos criadores chilenos a conocer y asistir al Freno de Oro, y se produjo un intercambio muy grande y de muy gratos recuerdos para todos. En 2009 fui panelista representando a Chile de “Encuentro de Criadores”, evento que organizaban los criadores gaúchos Joao B. Sa y de Uruguay Luis Pedro Valdés en restorán de la 6° Regiao en Esteio. Me toco en esa ocasión compartir palestra con el famoso Bayard Sarmento Jaques de Jaguarao-Uruguiana, el criador argentino Ramon Maidagan Torres, y el criador uruguayo Diego Landa Dondo, una experiencia inolvidable. En 1997 publique el libro "Caballos Chilenos, Genealogía de una Raza"; en 2000 inicio la colección "Caballos Chilenos, 500 años de Historia", que fueron 9 tomos; en 2012 publico en Internet, están aún vigentes, 5 tomos de libro "Grandes Caballos del Sur de América", que incluye crianzas de Argentina, Brasil, Chile, Uruguay y Paraguay. Me publicaron artículos en Anuario de Brasil y Uruguay. En 2015 publico Tomo I y en 2016 el Tomo II de libro "Reproductores de Pura Raza Chilena", vigente actual. Tengo al aire la web Tierradecaballos.cl; en Facebook web Libro Reproductores de Pura Raza Chilena. He hecho videos en YouTube a nombre de Caballería Araucana TV; criadero Paicavi TV; y Reproductores de Pura Raza Chilena, que van a TV Cable He sido por 13 años columnista de web de Federación del Rodeo y Criadores, Actelemte participo en programa Pelos & Procedencia de radio Tertulia por invitación de mi estimado amigo Rodrigo Alegrete. En diciembre del 2016 fue lanzado el Tomo I de "Historia del Rodeo Chileno", que escribí, y a principio del 2018 se lanza Tomo II y la Historia de la Federación del Rodeo, soy autor de ambos. Tengo un pequeño criadero de caballos chilenos continuando con algunas yeguas antiguas y el nombre de "Paicavi" cuyos ejemplares forman la base del actual del exitoso criadero Peleco, formado por Emilio Lafontaine P. también primo mío, y que ahora pertenece a Rubén Valdebenito Fuica y sus hijos Gustavo y "Panchaco". .