bemestar

Desmame precoce: como implementá-lo cedo

Data: domingo, 10 de dezembro de 2017 - Hora: 12:03

O objetivo desta técnica é aumentar os quilos de bezerros desmamados por hectare, através de um aumento na porcentagem de gravidez e no avanço do parto.

Baseia-se na remoção definitiva do bezerro da vaca para que ele deixe de alocar a energia para produzir leite e a dedica para recuperar suas capacidades reprodutivas. É uma técnica muito eficaz para alcançar o reaparecimento do calor na vaca, entre 10 a 30 dias após a aplicação, dependendo das condições ambientais.

Mito: o desenvolvimento do bezerro

Com base no planejamento adequado, alocando o orçamento necessário e aplicando uma operação correta, é certo que o bezerro crescerá igual ou melhor do que se estivesse aos pés da mãe, desmistificando uma idéia estabelecida sobre o bezerro de desmame precoce atinge um menor desenvolvimento Caso não possa ser implementado corretamente, a melhor recomendação seria não aplicar a técnica e procurar outra alternativa mais barata ou mais simples.

Implementação prática

Primeiro estágio para curral:

Este estágio é desenvolvido exclusivamente para curral e tem como objetivo que o animal vença o trauma da separação da mãe, adicto e comece o consumo de um novo alimento.

Nesta fase é onde a maioria do sucesso é determinada pelo operador, que deve ter muita paciência e passar continuamente pelas canetas (3 a 4 vezes por dia), que deve ter condições físicas adequadas, bom escoamento, sombra e boa água. qualidade

Para garantir que a taxa de crescimento do bezerro seja mantida ou aumentada, o período de quando você parar de beber leite até começar a comer uma ração deve ser o mais curto possível. Aqui, a formulação e os componentes da ração para alcançar um consumo rápido e, portanto, um bom ganho diário, assumem um papel preponderante. Como forma de acelerar o hábito do consumo, é muito importante dar três refeições por dia e eventualmente alguns fardos em quantidades muito pequenas para atrair os bezerros, sendo a alfalfa a preferida por excelência.

Este período de habituação termina quando é certo que 100% dos bezerros estão comendo, o que pode demorar entre 5 e 10 dias, levando em conta que, quanto mais curto for esse tempo, melhor será o resultado, já que o objetivo é que eles aprendem a comer e não consumir demais.

Segunda etapa no campo:

Após a aclimatação ao curral, os animais são liberados para o campo para iniciar um período de suplementação, onde são oferecidas uma refeição por dia.

Dependendo do tamanho inicial dos bezerros e da época do ano, pode-se dizer que os bezerros são desmamados com uma idade mínima de 60 dias e são suplementados até um peso mínimo de 140 kg, com uma duração aproximada de 100 a 150 dias.

Níveis de suplementação

A suplementação não deve ser inferior a 1,5% do peso vivo do animal, uma vez que um dos principais problemas observados é que ele é suplementado com níveis inferiores aos recomendados, de 1% ou 1,2% de peso vivo, atingindo taxas de muito baixo crescimento. Devido a isso, enfatizamos que se queremos uma boa taxa de crescimento, o animal deve consumir entre 1,5 e 1,8% de peso vivo.

Alimentação

É importante conhecer o fornecedor das rações, as garantias relativas ao manuseio e processamento dos grãos, de que a contaminação com micotoxinas é o menos possível, assegurada por controles e manipulação adequados.

Supondo que os animais estejam cultivando campos naturais, devem ser utilizados níveis mínimos de proteína de 21% no primeiro estágio e 18% de proteína no segundo período. Eventualmente, pode ser reduzido a 16% de proteína no segundo estágio, no caso de ser usado no final da suplementação algum prado com leguminosas.

Dicas

O desmame precoce é uma alternativa efetiva para melhorar o resultado da reprodução.
Não é a alternativa mais econômica, mas sua resposta é imediata.
Devemos analisar muito bem sua conveniência econômica em cada caso particular.

Santiago Da Cunda
www.fororural.com/ganaderia-destete-precoz-dacunda/



Venha e participe Conosco!
Deixe seu comentário,
Até a próxima.

Já viu os animais que vendemos? Veja Aqui!


Nossos Colunistas

Arturo Montory Gajardo

Nací en Cañete provincia de Arauco-Chile en septiembre de 1946, de familia de agricultores y ganaderos. En 1964 mi tío Hernán Anguita Gajardo, estudioso, criador (criadero Paicavi), y dirigente del rodeo escribe artículos en el Anuario de la Asociación de Criadores de Caballares, y me hace participar de ellos, lo que efectuó hasta el año 1970 en que entrega su último artículo. (Hernán Anguita creo el premio Sello de Raza). Ello me hizo aprender muchísimo de caballos, rodeo, arregladores y jinetes antiguos y ya en el año 1966 en una Agenda o libreta pequeña pude escribir y desarrollar en forma ordenada y clasificada por Familias Caballares toda la raza con los ejemplares más importantes, en rodeo, rienda, reproducción, exposiciones, que habían destacado y con premios hasta esa época. No había aun computación, la que llegó en forma masiva a Chile a principios del 1990. Esa agenda la conservo y es la base de todo lo que he escrito después y han pasado 50 años. Luego fui jinete de rodeo, jurado de premio Sello de Raza y Rodeos por muchos años más. En 1990 ya establecido en Santiago, me invitan a participar como columnista en revista Criollos, en octubre de 1991 participo en nacimiento de revista Corraleros escribiendo y dirigiéndola hasta 2005 y luego fundo la revista Tierra de Caballos, la que llevo a Expointer durante algunos años y junto a ello, incentivar a muchos criadores chilenos a conocer y asistir al Freno de Oro, y se produjo un intercambio muy grande y de muy gratos recuerdos para todos. En 2009 fui panelista representando a Chile de “Encuentro de Criadores”, evento que organizaban los criadores gaúchos Joao B. Sa y de Uruguay Luis Pedro Valdés en restorán de la 6° Regiao en Esteio. Me toco en esa ocasión compartir palestra con el famoso Bayard Sarmento Jaques de Jaguarao-Uruguiana, el criador argentino Ramon Maidagan Torres, y el criador uruguayo Diego Landa Dondo, una experiencia inolvidable. En 1997 publique el libro "Caballos Chilenos, Genealogía de una Raza"; en 2000 inicio la colección "Caballos Chilenos, 500 años de Historia", que fueron 9 tomos; en 2012 publico en Internet, están aún vigentes, 5 tomos de libro "Grandes Caballos del Sur de América", que incluye crianzas de Argentina, Brasil, Chile, Uruguay y Paraguay. Me publicaron artículos en Anuario de Brasil y Uruguay. En 2015 publico Tomo I y en 2016 el Tomo II de libro "Reproductores de Pura Raza Chilena", vigente actual. Tengo al aire la web Tierradecaballos.cl; en Facebook web Libro Reproductores de Pura Raza Chilena. He hecho videos en YouTube a nombre de Caballería Araucana TV; criadero Paicavi TV; y Reproductores de Pura Raza Chilena, que van a TV Cable He sido por 13 años columnista de web de Federación del Rodeo y Criadores, Actelemte participo en programa Pelos & Procedencia de radio Tertulia por invitación de mi estimado amigo Rodrigo Alegrete. En diciembre del 2016 fue lanzado el Tomo I de "Historia del Rodeo Chileno", que escribí, y a principio del 2018 se lanza Tomo II y la Historia de la Federación del Rodeo, soy autor de ambos. Tengo un pequeño criadero de caballos chilenos continuando con algunas yeguas antiguas y el nombre de "Paicavi" cuyos ejemplares forman la base del actual del exitoso criadero Peleco, formado por Emilio Lafontaine P. también primo mío, y que ahora pertenece a Rubén Valdebenito Fuica y sus hijos Gustavo y "Panchaco". .