Histórias de Vida

Rodeo Cuyano se junta à Federação Chilena do Rodeio.

Data: domingo, 14 de janeiro de 2018 - Hora: 11:01

Federação Chilena do Rodeio.
Por Arturo Montory G.

O rodeio de Cuyano, semelhante ao chileno, começou em agosto de 1993 com a construção de uma crescente reguladora de propriedade de "Pocholo" Gómez, em Tunuyan, província de Mendoza, Argentina, cuja inauguração contou com a presença de uma delegação chilena liderada por José Manuel Aguirre e ocorre um lindo rodeio inicial em que participam gaúchos e huasos.
A partir dessa data, os Cuyanos continuam a desenvolver esta disciplina até hoje, o que mostra o grande carinho que eles têm e os grandes sacrifícios para mantê-lo em vigor porque não é uma área de gado.
Alguns anos atrás, após muitos contatos gerenciais, a Ferochi incorpora-a como uma nova Associação com todos os direitos e deveres, mas com um tratamento similar dado às regiões extremas.

Em 2013, ambas as instituições já começaram a entrelaçar, e muitos pilotos chilenos participam do rodeio de Cuyo, Luis Eduardo Cortés, Alfonso Navarro, Juan Pablo Cardemil e vários outros, ensinando e promovendo a prática do esporte, e os júris enviados de Santiago participam de rodeos cuyanos, a fim de padronizar critérios de palavrões e esportes.
Em 2016, eles já estão participando do circuito do Chile e seus rodeios são válidos, de modo que algumas Colinas Cuyanas que cumpriram os requisitos, participam da Classificação de Nos e Pemuco no verão de 2017 e um acesso de colera para rodar em Nacional de Rancagua, onde o fazem muito bem e com grande apoio do público chileno, eles são aplaudidos quando eles entram no meio da lua cheio.

A imprensa chilena disse naquela ocasião:
"Pela primeira vez, três colleras pertencentes à Associação Cuyo Rodeo, membro da Federação Chilena do Rodeo, participarão de uma Qualificação, um fato que se tornará uma realidade nesta Classificação da Zona Norte dos Números".
Luis Felipe Aguinaga, secretário da Associação de Cuyo Rodeo:
"Chegamos no último sábado, estamos parando em Graneros e aproveito para agradecer a Luis Eduardo Cortés, Don Remigio Cortés, que generosamente nos forneceu suas instalações para que possamos estar lá". A verdade é que, sem eles, não poderíamos ter feito isso. colarinhos: um colar de cavalo, Mariachi e Qué Lolo, de propriedade de Javier Suárez e os pilotos são Ariel Scibilia e Javier Salinas, um colar misto Chico Bueno e assim, propriedade de Ariel Scibilia e os pilotos são Ariel Scibilia e Facundo Scibilia, e O terceiro é um colar de potros, da minha propriedade, que são Cirurgiões e Dupla pagos e nós corremos isso mesmo e Fernando Moreno. É a primeira vez na história que coleiras argentinas participam de uma qualificação aqui no Chile. É nossa estréia e esperamos sinceramente fazer um bom papel, que os cavalos parecem ordenados e não chocam com o resto dos concorrentes, para nós, isso seria bom, não se destacam indo ruim, mas que os cavalos estão bem e ordenados ".
Foi tão bem sucedido que o colar de Mariachi e Qué Lolo, de propriedade de Javier Suárez e os pilotos são Ariel Scibilia e Javier Salinas, qualificaram e dirigiram a série em Rancagua.

Em 3 de janeiro de 2018, o Acordo de Participação Esportiva, a Federação Chilena de Rodeos e a Associação Rodeo de Cuyo foram assinados solenemente em Santiago, representado por Cristian Moreno Benavente, Presidente do Chile e Nicolás Celasso Vargas, Presidente da Cuyo.
Com este passo importante já é oficial a participação de cavaleiros Cuyan no Chile e corraleros do Chile em rodeios Cuyanos, todos sob a mesma regulamentação esportiva.
Na Argentina, desde 1993 até o presente, uma geração completa de pilotos já passou e agora seus filhos e netos estão seguindo, e eles dizem que o rodeio já está começando a se estender seriamente na Argentina, e abre uma nova oportunidade de intercâmbio de esportes entre países irmãos, entre gauchos e huasos.
Entre os esportes equestres cowboy envolvendo cavalos e gado, dificilmente há mais divertido e participativo que o rodeio, cheio de ingredientes e sabores dos campistas.

É um esporte extremamente difícil dominar completamente, em relação aos cavalos, parceiros, orientar, acompanhar, opinião dos júris, porque é muito subjetivo para apreciar apesar de todos os regulamentos, há sempre uma porcentagem de apreciação diferente e o júri deve definir em centésimos de segundo, faz parte do risco e da emoção.
É um esporte de fricção, algo violento, muito rápido, reações instantâneas, não há tempo para pensar, é uma visão e um ato.
Tirar o melhor partido do cavalo de equitação é um desafio, um acordo total com o colar na pista, e saber como "correr" cada novilho é outro, em suma, uma série de dificuldades que devem ser superadas em apenas três minutos.
As pessoas que o praticam, os huasos e agora os gaúchos, e aqueles que são incorporados na vida, ninguém jamais se arrependeu de ter feito isso, ninguém se retira do rodeio, é um vício, um vício maravilhoso.
Tenho certeza de que no Uruguai e no Rio Grande do Sul seria um tremendo sucesso, porque eles têm cavaleiros, novilhos e bons cavalos.
Outra nuance diferente do rodeio chileno e sua prática exterior é a sua semelhança com o pastoreio de gado em qualquer campo sul-americano, o mesmo exercício de espremer, correndo atrás de um animal, devolvendo-o ao cone de pinho.

É totalmente diferente do Reinning e do Freio de Ouro, mas é semelhante aos Paleteadas, mas no rodeio o "princípio é velocidade e tackle".
Nós o convidamos para experimentá-lo.

Fotos: arquivos.



Venha e participe Conosco!
Deixe seu comentário,
Até a próxima.

Já viu os animais que vendemos? Veja Aqui!


Nossos Colunistas

Arturo Montory Gajardo

Nací en Cañete provincia de Arauco-Chile en septiembre de 1946, de familia de agricultores y ganaderos. En 1964 mi tío Hernán Anguita Gajardo, estudioso, criador (criadero Paicavi), y dirigente del rodeo escribe artículos en el Anuario de la Asociación de Criadores de Caballares, y me hace participar de ellos, lo que efectuó hasta el año 1970 en que entrega su último artículo. (Hernán Anguita creo el premio Sello de Raza). Ello me hizo aprender muchísimo de caballos, rodeo, arregladores y jinetes antiguos y ya en el año 1966 en una Agenda o libreta pequeña pude escribir y desarrollar en forma ordenada y clasificada por Familias Caballares toda la raza con los ejemplares más importantes, en rodeo, rienda, reproducción, exposiciones, que habían destacado y con premios hasta esa época. No había aun computación, la que llegó en forma masiva a Chile a principios del 1990. Esa agenda la conservo y es la base de todo lo que he escrito después y han pasado 50 años. Luego fui jinete de rodeo, jurado de premio Sello de Raza y Rodeos por muchos años más. En 1990 ya establecido en Santiago, me invitan a participar como columnista en revista Criollos, en octubre de 1991 participo en nacimiento de revista Corraleros escribiendo y dirigiéndola hasta 2005 y luego fundo la revista Tierra de Caballos, la que llevo a Expointer durante algunos años y junto a ello, incentivar a muchos criadores chilenos a conocer y asistir al Freno de Oro, y se produjo un intercambio muy grande y de muy gratos recuerdos para todos. En 2009 fui panelista representando a Chile de “Encuentro de Criadores”, evento que organizaban los criadores gaúchos Joao B. Sa y de Uruguay Luis Pedro Valdés en restorán de la 6° Regiao en Esteio. Me toco en esa ocasión compartir palestra con el famoso Bayard Sarmento Jaques de Jaguarao-Uruguiana, el criador argentino Ramon Maidagan Torres, y el criador uruguayo Diego Landa Dondo, una experiencia inolvidable. En 1997 publique el libro "Caballos Chilenos, Genealogía de una Raza"; en 2000 inicio la colección "Caballos Chilenos, 500 años de Historia", que fueron 9 tomos; en 2012 publico en Internet, están aún vigentes, 5 tomos de libro "Grandes Caballos del Sur de América", que incluye crianzas de Argentina, Brasil, Chile, Uruguay y Paraguay. Me publicaron artículos en Anuario de Brasil y Uruguay. En 2015 publico Tomo I y en 2016 el Tomo II de libro "Reproductores de Pura Raza Chilena", vigente actual. Tengo al aire la web Tierradecaballos.cl; en Facebook web Libro Reproductores de Pura Raza Chilena. He hecho videos en YouTube a nombre de Caballería Araucana TV; criadero Paicavi TV; y Reproductores de Pura Raza Chilena, que van a TV Cable He sido por 13 años columnista de web de Federación del Rodeo y Criadores, Actelemte participo en programa Pelos & Procedencia de radio Tertulia por invitación de mi estimado amigo Rodrigo Alegrete. En diciembre del 2016 fue lanzado el Tomo I de "Historia del Rodeo Chileno", que escribí, y a principio del 2018 se lanza Tomo II y la Historia de la Federación del Rodeo, soy autor de ambos. Tengo un pequeño criadero de caballos chilenos continuando con algunas yeguas antiguas y el nombre de "Paicavi" cuyos ejemplares forman la base del actual del exitoso criadero Peleco, formado por Emilio Lafontaine P. también primo mío, y que ahora pertenece a Rubén Valdebenito Fuica y sus hijos Gustavo y "Panchaco". .