11111111111111Tecnologias de informao e comunicao no agronegcio

colunas

Tecnologias de informação e comunicação no agronegócio
por Marcelo Benevenga Sarmento

Data: quinta, 4 de janeiro de 2018 - Hora: 10:27

Tecnologias de informação e comunicação no agronegócio

Há algum tempo atrás os produtores diziam aos seus filhos: "-Meu filho, se não estudares vais ter que ficar trabalhando aqui no campo". Os tempos mudaram, e atualmente a recomendação paterna é: "-Filho, se não estudares não poderás trabalhar aqui no campo". Essa expressão reflete com clareza a evolução tecnológica e a melhoria na capacitação do trabalhor rural.
A internet nas áreas rurais surgiu há mais ou menos 15 anos e atualmente nos deparamos com os drones e diversas outras tecnologias fantásticas, que, sem percebermos, estão dominando o campo. Mesmo que a conexão na maioria das propriedades ainda não seja boa, as tecnologias vieram para ficar e estão nos auxiliando em diversas atividades do agronegócio.
A "smart farming" ou fazenda inteligente compreende o conjunto de tecnologias de informação e comunicação aplicadas na gestão e manejo de todas as atividades em uma propriedade rural, seja ela familiar ou empresarial, produtora de alface, mel ou soja. Temáticas abordando Big Data, Internet das Coisas, Nuvem de dados, Robótica e Inteligência Artificial estão dentre as principais pautas nas revistas de agricultura e pesquisas do agronegócio nos últimos anos.
Essa gama de tecnologias está mudando a forma com que gestores e colaboradores desenvolvem suas funções. As chamadas TICs (tecnologias da Informação e da Comunicação) têm contribuído de forma impactante para as diversas áreas do agronegócio, permitindo a coleta, armazenamento e o processamento de grandes volumes de dados, a automatização de processos e o intercâmbio de informações e conhecimento no mundo.
A agricultura atual e futura tem dois grandes desafios a enfrentar: aumentar a produção sem incremento significativo na área cultivada e a melhoria da qualidade dos produtos agroalimentares, com o mínimo de impacto ambiental. A adoção das TICs vem crescendo à medida que reduzem custos, minimizam perdas, aperfeiçoam processos tecnológicos na propriedade e facilitam as decisões gerenciais.
São inúmeras as aplicações no campo, dentre as quais: sensores de umidade do solo, robótica, bioinformática, sistema de irrigação automatizada, agricultura de precisão inteligente, monitoramento da condição da vegetação (NDVI), sensores para mapeamento de solos, sistemas de informação geográfica (SIG), monitoramento de doenças e pragas, acompanhamento de variáveis meteorológicas e ambientais, dentre muitas outras (Figura 1).
Em um futuro, não muito distante, biossensores implantados nos animais darão informações sobre aspectos sanitários, nutricionais e comportamentais. Há pesquisas avançadas sobre a vocalização de animais que permite compreender a expressão e o comportamento do animal a partir da frequência sonora emitida. Veja exemplos de tecnologias na Figura 1 em anexo.
Vivemos em uma época em que finos ajustes em cada processo podem resultar em ganhos significativos. Partes importantes destes ajustes dependem de tecnologias. A eficiência e competitividade de uma empresa são construídas aprimorando os processos produtivos e gerenciais. Assim, as TICs constituem-se em ferramentas auxiliares ao produtor e gestores em todas as etapas da cadeia produtiva. A eficiente coleta de dados, a reunião destes em informações e a geração de conhecimento são fundamentais para reduzir custos logísticos e de produção e entregar um produto de qualidade com preço justo a um mercado consumidor cada vez mais exigente.

Não creio que estas tecnologias possam substituir o trabalho humano qualificado, pois ele é cada vez mais imprescindível, mas sim, fará com que o profissional busque qualificar-se e atualizar-se, não só na sua área de formação, mas também no manejo destas ferramentas. O potencial destas tecnologias é imenso podendo facilitar o trabalho de campo no acesso a índices agronômicos, zootécnicos, previsões climáticas e acompanhamento das tendências de mercado, que permitam a melhor tomada de decisão e, consequentemente, gerenciamento mais eficiente da propriedade rural.

Desejo um Feliz Natal e um 2018 de muita prosperidade aos amigos que nos acompanham no site Cosas del Campo.
Grande abraço.



Venha e participe Conosco!
Deixe seu comentário,
Até a próxima.