11111111111111Abril Laranja ao educativa para proteo animal

Notícias

Abril Laranja é ação educativa para proteção animal

Data: terça, 6 de abril de 2021 - Hora: 11:21

Em diversos meios de comunicação e pelas redes sociais, estamos vendo o laço laranja e o alerta de que Abril é o mês destinado à proteção animal. Esta ação educacional foi iniciada nos Estamos Unidos pela American Society for the Prevention of Cruelty to Animal (ASPCA) ou Sociedade Americana para Prevenção da Crueldade contra Animais, em Português. No ano de 2010, diversas empresas aderiram ao Go Orange for Animal e iluminaram dezenas de cidades com a cor laranja em prol dos animais. Abril foi escolhido por ter sido o mês em que foi assinada a carta de criação da entidade e a cor laranja, por conta da logomarca que a identifica. 

A ação se espalhou pelo mundo e aqui no Brasil, estados e municípios incluíram em seus calendários de eventos o Abril Laranja e instituíram políticas públicas em defesa dos animais. Contudo, o jornal Zero Hora, em outubro do ano passado, publicou uma pesquisa em que 66,84% dos processos por maus-tratos que deram entrada na na Justiça gaúcha de 2016 a setembro daquele ano, não resultaram em condenações. 

A matéria teve como gancho a alteração na legislação federal após sanção do presidente Jair Bolsonaro aumentando a pena de quem pratica crimes contra animais domésticos: pena de reclusão de dois a cinco anos, multa e proibição de guarda. A reportagem também mostrou que, em um período de cinco anos houve 9.237 boletins de ocorrência registrados, 507 indiciamentos pela Polícia Civil e 225 denúncias pelo Ministério Público de maus-tratos a animais. 

A legislação que torna mais severa a punição, não inclui outros animais, como destaca na reportagem de Zero Hora, o advogado Rogério Rammê, especialista em direito ambiental e animal. 





Em uma pesquisa feita por Cosas del Campo, apenas jogando na ferramenta Google maus-tratos a cavalos, foram encontrados mais de 10 mil resultados. Na lista, havia links de reportagens que incluíam animais de forma geral. Refinando a busca, cm a inclusão de aspas no termo de pesquisa, chegou-se a mais de 300 resultados.

Entre as reportagens há uma denúncia contra um haras em Goiás, onde animais muito magros foram encontrados, resgatados e levados a outra propriedade. No Pará, uma ação pública exigia da prefeitura de Santarém providências a respeito de cavalos de trabalho encontrados debilitados. No Rio de Janeiro, moradores de um condomínio também se reuniram para cobrar ajuda a cavalos vistos em um cercado, atrás da propriedade, muito magros, tomados por carrapatos. Já em Minas Gerais, em Varginha, o poder púbico é quem foi denunciado por não atender adequadamente os cavalos que recolhe e leva ao Curral Municipal. 





Aqui no RS, não é diferente. São inúmeras as denúncias de maus-tratos a cavalos. Um dos casos de maior repercussão foi o de Santo Ângelo, envolvendo três homens que torturaram um cavalo. Em Santa Maria, em 2019, a prefeitura chegou a anunciar a compra de chips para instalar em cavalos que circulavam pela cidade para tornar mais rápida a identificação em caso de agressões. E na Capital, a Empresa Pública de Transporte e Circulação, no ano passado, em oito meses havia recolhido 139 cavalos em situação de maus-tratos ou abandono pelas ruas da cidade. Em seu site, a empresa dispõe de informações para adoção- em março deste ano, 25 animais estavam disponíveis para adoção, e pesquisa da situação de animais recolhidos, inclusive com fotos do antes e depois. 





Confira em nosso site a história de Joey, um cavalo resgatado de situação de maus-tratos aqui no RS. Clique aqui

Fonte: G1, ZH, Google

Fotos: site EPTC, G1/reprodução EPTV e reprodução TV Anhanguera)

 




Venha e participe Conosco!
Deixe seu comentário,
Até a próxima.