#vidadocampo

Notícias

Notícias do Campo

Você conhece o jogo do pato?
Uma mistura de Polo, Hóquei e Basquete. O cal delimita o campo. De cada lado uma cesta, com 2,7 metros de altura. Cavalos e ginetes com galope rápido precisam conduzir a bola com a mão direita, realizando passes e rompendo a defesa adversária, para então, arremessar e pontuar. Já a defesa, pode utilizar ambas as mãos para capturar a bola, porém apenas no sentido paralelo ao ginete adversário. Criado há quase 400 anos, o Pato é o esporte nacional da Argentina que vem conquistando o solo gaúcho. O jogo consiste em duas equipes, formadas por quatro ginetes cada - dois reservas-, que buscam interceptar o Pato (uma bola com alças de couro) e pontuar a maior quantidade de vezes dentro do tempo limite. Cada partida pode ter uma duração de 8 minutos por tempo mais prorrogação, sendo entre 4 e 6 tempos, com intervalos de 4 minutos conforme a competição. No Rio Grande do Sul, a duração da partida sofre adaptações, normalmente sendo disputado em dois tempos de 5 minutos com intervalo. Em casos de empate, se tem um tempo adicional com disputa por "gol de ouro", podendo o empate persistir até os pênaltis. A história do esporte O esporte argentino tem relatos que datam do ano de 1600. Em sua origem a bola consistia em um pato vivo, colocado dentro de uma rede de couro, que seria disputado ao inicio da partida por duas equipes montadas. Cada jogador puxaria a rede de couro para si, aquele com mais força iria iniciar com a posse do pato, disparando até um ponto determinado, enquanto protegia o animal da equipe adversária que tentaria capturá-lo novamente. No ano de 1822, o jogo de Pato foi proibido, através de um decreto do Governador de Buenos Aires, Martín Rodríguez, devido a utilização de um animal vivo e o perigo para os ginetes que sofriam acidentes. Em 1937, o jogo ressurgiu, com uma série de regras e adequações, substituindo o pato por uma bola, com medidas de segurança e vestimenta apropriadas para a prática e a definição do objetivo do jogo com a utilização de cestas. Na década de 70, o Pato chegou na França, onde foi readaptado para melhor condizer com os espaços e cavalos europeus. Lá passou a ser chamado de Horseball, sendo esta modalidade reconhecida pela Federação Equestre Internacional. Disputa na Rainha da Fronteira E a prova secular foi resgatada na pista de Bagé/RS, onde uma disputa do esporte foi realizada no dia 1 de dezembro, junto à programação da raça Crioula no município, promovida pelo Núcleo de Criadores de Cavalos Crioulos do município. E essa não é a primeira vez que a disputa é realizada em território gaúcho e utilizando somente cavalos Crioulos. Em 2013, por exemplo, São Lourenço do Sul/RS foi quem sediou a iniciativa, na época, pioneira Fonte: Abccc

Voc conhece o jogo do pato?

Histórias de Vida

A Vida no campo como ela é.

Trabalho em família
Lá pelo ano 1993, em Passo das Pedras, certo homem domador de estância, com verdadeiro gosto pela lida campeira, se apaixona por uma mulher de Canto Grande que na época, estudava pedagogia. Mais não foi só ele que se apaixonou, a paixão foi mútua e correspondida. É de essa união, que nasce um casal, que não tinha noção do que eles iam construir. Eles são Nilo Valadão e Cátia Vasconcelos, que são os protagonistas de hoje de "Histórias de vida" de Cosas del Campo; uma história realmente apaixonante... Na época, Nilo trabalhava bastante pra ajudar a realizar o sonho da sua prenda, que era ser pedagoga. Foi então que ele é apresentado ao "mundo do cavalo crioulo", e é procurado por uma cabanha que o contrata, e o apresenta para as diversas modalidades de provas que a raça tem. Mas como tudo nessa vida, não é como a gente quer, o casal se encontra com uma surpresa a passos de concretizar o sonho da Cátia. Uma surpresa que trocaria 100% a vida deles. Uma surpresa chamada "gravidez". É, até aí tudo normal... acontece com todo mundo. Só que essa gravidez, era especial. Cátia carregava na sua barriga, duas crianças; sim, eram gêmeos. "Vou ter que domar muito mais, mais dou conta dessas duas bênçãos que Deus nos manda", diz Nilo pra Cátia. E é assim, que chegaram ao mundo, Rian e Nathan, os meninos especiais e mimosos de toda a família. Mas como tudo nessa vida não acontece por acaso, pra não ser diferente, os meninos se apaixonam pelo cavalo a partir dos três messes de vida, "a primeira vez que montaram a cavalo", diz a mãe. A partir daí, ninguém nem nada parou eles. Com 3 anos já andavam a cavalo sozinhos, ajudando na lida campeira. Mas, decididos, eles queriam mais. Sim, eles queriam, nada mais e nada menos, que domar... "É agora como a gente faz?", se pergunta o casal. Mas o papai faceiro que os filhos pedissem isso, comprou um lote de pôneis, e ensinou a eles, como era o assunto. Não é que eles adoraram?! "Se achavam gente grande naqueles bichinhos", conta a mãe. Mas a história não para por aí... os gêmeos, foram por mais, e agora queriam participar de "prova de gente grande". Então, foi com 10 anos, que os gêmeos, estrearam nas pistas, no "Redomão da Lagoa", e daí não pararam, continuaram provando, participando, aprendendo, até que o Rian, ganha o Freio de Prata Infantil, em Esteio, foi aí que os gêmeos decidiram tentar na categoria profissional, chegando a participar nesse ano de 2017, no Bocal de Ouro. Fomos atrás desses gêmeos, e eles nos disseram: "Somos muito agradecidos por tudo isso, pois não é fácil, mas com comprometimento, determinação e muito trabalho, não será impossível de atingir nossos sonhos..." E é assim, que fechamos o primeiro capítulo desta apaixonante história, que terá 3 capítulos. Já que famílias assim, a gente não encontra todos os dias... Cosas del Campo, sempre perto de você.

Trabalho em famlia

Criadores

A paixão por criar

Prova mais importante da raça Crioula definiu calendário para 2019
Treinadores e proprietários já podem se preparar e programar para o ciclo 2019 do Freio de Ouro O momento mais importante para a raça Crioula em qualquer temporada é o Freio de Ouro. Para a 42ª edição no ano que vem, da prova que é composta por várias etapas, calendário do ciclo foi definido pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulo. Com julgamentos de Morfologia e provas Funcionais, onde são testadas a doma, a resistência, a docilidade, a aptidão e a coragem que formam o perfil funcional do cavalo Crioulo, os conjuntos vão passando por várias classificatórias e credenciadoras ao longo do ano. Até chegar ao pico da temporada, a final do Freio de Ouro em agosto, durante a Expointer. A programação mais esperada do ciclo 2019 já tem datas e locais determinados. Entre março e julho de 2019, sete classificatórias marcam o calendário do Freio de Ouro, promovido pela ABCCC. As provas que selecionam os melhores do ciclo irão definir seus campeões na final do Freio, que acontece entre 22 e 25 de agosto, em Esteio/RS. Em decisão aprovada pela diretoria, entre as principais novidades da temporada está a unificação das classificatórias gaúchas da região Norte e Sul, que acontecerá no Parque de Exposições Assis Brasil. E da região 8, que congrega os Estados acima do Sul do país. Outra mudança que estará vigente nas seletivas é o número de conjuntos classificados nas seletivas brasileiras, que passará de oito para até 16. Confira o calendário 6 a 10 de março - Argentina, Jesus Maria 4 a 7 de abril - Bocal de Ouro, Esteio (RS) 9 a 12 de maio - Uruguai, Montevidéu 15 a 19 de maio - Classificatória Aberta, Esteio (RS) 13 a 16 de junho - Classificatória Gaúcha, Esteio (RS) 20 a 23 de junho - Santa Catarina e Paraná, Araranguá (SC) 4 a 7 de julho - Região 8, Local a definir Fonte: Abccc Foto: Felipe Ulbrich/ABCCC

Prova mais importante da raa Crioula definiu calendrio para 2019